Total de visualizações de página

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Historiador Criador e Presidente do Jornal Delfos-CE, (2007). Criador da Associação Cultural SEMPRE- (2008). Criador e Idealizador do 1° Arquivo Público do Interior do Nordeste (2009). 2° e 4° lugares,consecutivamente, no 1° e 2° concursos de poesia da comunidade do Orkut "Vamos Escrever um livro?"(2009 e 2010). Criador da exposição histórica: "PACOTY: UMA HISTÓRIA EM DOCUMENTOS", aprovado pelo Banco do Nordeste(2010). Formado em Licenciatura Plena em História (2010). Sócio do Instituto Desenvolver (2011). Trabalhou para o Governo do Estado do Ceará como pesquisador no Porto do Pecém (2011). Ministrou aulas de História, Geografia, Arte e Religião em Pacoti e em Guaramiranga (de 2008 a 2015 no Colégio São Luís, na Escola Menezes Pimentel e na Escola Linha da Serra). 2° Lugar em concurso de pensamento na comunidade "Grupo de Poesia" no Facebook (2012). Participa como um dos autores dos e-books "Por onde andei?", "Quem sou?" e realizado pelo Balcão de Poemas, edição de Wasil Sacharuck. Recebeu a comenda Domitila de Honra ao Mérito (2016) Conclui Pós-Graduação em Gestão Escolar (2016). Selecionado para o Prêmio CNNP- Concurso Nacional Novos Poetas (2016).

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

PIANO


PIANO

Faz-me flutuar em tuas tristes diretrizes
Irradiando prazer sinfônico num romantismo sem igual
Melodrama repleto de poesia e carnaval
Voo a dançar
Passos de euforia
Pérola-negra em caldas
Mil donzelas e meretrizes
Sideral espaçonave
Siderúrgica filamental
Ave em chamas
Conclave sem clave
Incógnita que nem Eratóstenes resolveria
Por ti transpassa a latitude ptolomesca de Pitágoras
Alquarísmica alegoria de cunho artesanal
Frenesi sem o qual a humanidade se consumiria
Quando todos os gênios e deuses desabarem
A música ainda reinará na Távola de Arthur rei
Musa diáfana a compor-me desejos
Deus-dará
Irei
A Churman,  Chopin ou Bach,
Beetowen, Tchaikóviski, Mozart, sei lá!
Villa-Lobos, o oráculo brasileiro
Piano, dê-me uma nota preta de amor por inteiro
De tuas cordas vocais ouço a foz do conhecimento
Talvez seja só sentimento
Brota em meu peito uma dor que ao canto encanta
Não dói, acalanta
Emana palavras em vez de lamentos
Voz melodiosa de emoção
Avida é uma canção
Festa a ir e vir, estação
Manto da prisioneira liberdade
Expressão impressa
paisagem da tarde sem pressa
No baile da Deusa
Felicidade
Ateu Poeta
O QUESTIONADOR
Pacoti-Ceará, 25/11/08, 6:00 Am

domingo, 23 de novembro de 2008

PONTO DE EQUILÍBRIO

PONTO DE EQUILÍBRIO

Felicidade é alcançar o PONTO DE EQUILÍBRIO MENTAL E CORPORAL.
O que isso quer dizer?

Primeiramente, que todos nós temos sonhos, medos e carências. Logo, alcançar os sonhos, eliminar os medos e suprir às carências; isso é achar o ponto de equilíbrio.
Todavia, quando se alcança um sonho se constrói um maior. Quando se vão todos os medos podem até surgir outros ou não, muito dificilmente existirá quem não tema nada.E sempre haverá carências físicas e psíquicas.

O PONTO DE EQUILÍBRIO é saber lidar com esses medos sonhos e carências, administrando bem a vida em função deles e não deixando-se controlar por eles.
Para tanto é necessário conseguir estabilidade Emocional e Racional.

AROLDO FILHO

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

ODE À FELICIDADE

Felicidade é encontrar o ponto equilíbrio.
Para se chegar a ele é preciso confiança em algo
Ou em si mesmo, de preferência.
Felicidade está intimamente relacionada à segurança.
E não a momentos de euforias, o que se chama alegria e é passageiro.
Felicidade é algo permanente, equilíbrio de corpo e mente

"Momentos felizes" não é igual à felicidade.
Alegria é prazer momentâneo.
a FELICDADE é um ponto de equilíbrio constante de mente e corpo são. É causada por um estado de segurança, ocasionado por fé em si mesmo ou daqueles que lhe estão próximos.
Ou ainda uma pseudo felicidade: "momentos felizes" ou fé em algo inexistente, ou o famoso "carp diem"

Direfente do que Nietzsch pensava, não é possível haver "momentos felizes" sem que a própria felicidade exista, esta é real e bem provável; pois é justamente um estado de confiança que faz com que o sujeito que o possua possa permanecer firme perante as mazelas do mundo, este, o feliz, não se mata por que Deus não existe ou por que ninguém lhe entende, uma vez que se eleva a esse grau de tranquilidade não há o que o abale constantemente.

Felicidade é a queridade LIBERDADE que tanto buscamos, mas esta só é possível de alcace por um forte intelecto.

AROLDO FILHO
Pacoti-Ceará
21/11/08